SOLIDARIEDADE - Campanha do Banco Alimentar arranca este fim de semana


Nos próximos dias 27 e 28 de maio, o Banco Alimentar contra a Fome realiza a primeira campanha anual de recolha de alimentos nos supermercados e superfícies comerciais de todo o país.

Para além desta Campanha Saco, que decorre em todos os super e hipermercados do país, ao longo da próxima semana, até 4 de Junho, haverá ainda a possibilidade de contribuir para os Bancos alimentares Contra a Fome on line, no site www.alimentestaideia.net, a plataforma de recolha de alimentos na Internet.

Para além da comodidade na medida em que evita a deslocação tradicional aos estabelecimentos comerciais, a nova plataforma, que se caracteriza por uma grande simplicidade, permite comprar on line, ao mais baixo preço do mercado, um conjunto de 6 produtos alimentares essenciais para ajuda às famílias.

O pagamento é feito por Multibanco ou Visa, tal como com qualquer outro pagamento de serviços ou compra online. Uma mais-valia da plataforma electrónica de recolha de alimentos consiste na sua integração às principais redes sociais e móveis como o Facebook e o Instagram.

INVESTIGAÇÃO - Estudantes da FCTUC produzem combinado de fruta e algas 100% natural



Medronhos, amoras silvestres e algas são os ingredientes que constituem o Gratô, um produto alimentar eco-inovador semelhante a uma gelatina com polpa, produzido por uma equipa de estudantes da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), com a colaboração da Escola Superior Agrária de Coimbra (ESAC).

A ideia de criar um novo produto alimentar que pudesse ser ingerido por todos - crianças e adultos, intolerantes à lactose e ao glúten, vegetarianos, diabéticos, etc. -, surgiu num Roadshow realizado no âmbito de uma parceria entre a Universidade de Coimbra (UC) e a PortugalFoods promovida pelo gabinete do Vice-Reitor para a Investigação e Inovação, Amílcar Falcão.

O Gratô «consiste num combinado de fruta e algas 100% natural e de origem vegetal. O medronho é o ingrediente principal porque queremos promover o consumo deste fruto, com muito potencial mas pouco explorado além dos licores. Contém também amora silvestre e algas marinhas, nomeadamente Grateloupia turuturu e Undaria pinnatifida (vulgarmente conhecida como Wakame)», descrevem Daniela Pedrosa, Isabel Cardoso e Nádia Correia.

As alunas do mestrado em Biodiversidade e Biotecnologia Vegetal da FCTUC sublinham que «a introdução das algas no combinado é uma mais-valia relevante do ponto de vista nutricional porque são muito ricas em iodo (essencial para o desenvolvimento cognitivo em crianças) e em fibras alimentares».

As autoras do Gratô salientam ainda que pretendem promover uma alimentação saudável e, por isso, o combinado «não tem na sua composição açúcares refinados, tem apenas o açúcar natural das frutas e uma pequena porção de stevia (adoçante natural)».

Para a produção deste novo combinado alimentar, as estudantes contaram com a orientação dos professores Leonel Pereira, especialista da FCTUC em macroalgas marinhas, que conduziu a escolha, identificação e recolha das algas; e Goreti Botelho (ESAC), que guiou todas as etapas da confeção.


O Gratô, em fase de protótipo, já foi apresentado numa feira agroalimentar e a reação dos consumidores que experimentaram «foi extremamente positiva, incentivando-nos a colocar o produto no mercado», contam as jovens, adiantando que «já estamos em contacto com algumas empresas do setor que estão interessadas em comercializar o produto. No entanto, ainda temos de realizar mais testes mas, se tudo correr como o previsto, o Gratô poderá estar na mesa dos portugueses dentro de um ano».

Para já, na próxima sexta-feira, dia 26 de maio, as jovens vão disputar a final nacional do concurso Ecotrophelia, um concurso de âmbito internacional promovido pela PortugalFoods e Federação das Indústrias Portuguesas Agro Alimentares (FIPA) para premiar a inovação do meio académico no setor agroalimentar. Se vencerem, vão apresentar o Gratô a toda a Europa (na Ecotrophelia Europa 2017).

Nádia Correia, uma das responsáveis do projeto, explica aqui o que é o Gratô.

LORVÃO - José Borges (Enduro BTT Braga) manteve a invencibilidade na Taça de Portugal de Enduro


José Borges (Enduro BTT Braga) manteve a invencibilidade na Taça de Portugal de Enduro, somando ao triunfo da prova inaugural, em Vouzela, uma nova vitória na categoria Elite no Enduro do Lorvão (Penacova). Na segunda competição do troféu, o campeão nacional dominou a concorrência sendo o mais rápido em todas as cinco provas especiais cronometradas.

Tal como na etapa anterior, o madeirense Emanuel Pombo (Ciclo Madeira Clube Desportivo) pautou-se pelo segundo lugar, com mais 25 segundos face ao tempo - 16m31s - registado por José Borges. No pódio dos Elites masculinos, mas com 59 segundos de atraso, esteve João Rodrigues (Casa do Povo de Abrunheira). Nas contas da Taça de Portugal, José Borges acumula 400 pontos diante dos 300 pontos somados por Emanuel Pombo e dos 210 de João Rodrigues. 

Nas Elites femininas, a estoniana Maaris Meier (Maiatos/Reabnorte) não deu hipóteses à concorrência, impondo-se com a margem folgada de 1m03s para Ana Leirte (Enduro BTT Braga) cujo segundo conseguido permitiu-lhe manter-se no topo da Taça de Portugal da sua categoria. Leandra Gomes (Batotas/Ponte de Lima)foi a terceira classificada, a 4m32s. 

Na corrida júnior, João Nóbrega (Ciclo Madeira Clube Desportivo) foi o mais rápido, antecipando-se em 33 segundos a Cláudio Silva (BTT Enduro Terras do Douro) e em 54 segundos a Nuno Silvestre (BTT Team S.U.Colarense/CSTreino), terceiro classificado. Tiago Ladeira, vencedor em Vouzela, não alinhou cedendo a liderança da Taça de Portugal, a João Nóbrega, na única mudança de "comandante" das diferentes categorias da Taça de Portugal de Enduro.

Nas restantes categorias, Duarte Ribeiro (MS Racing Portugal) venceu a corrida de cadetes, Hélder Padilha (Montanha Clube/LouzanPark) impôs-se nos Master 30, e Vasco Correia (Penacova DI/UD Lorvanense) manteve-se invencível nos Master 40, tal como José Salgueiro (MCF/XDream/Município de São Brás).


Classificações completas: AQUI

Ranking: AQUI

Fotos: AQUI




Federação Portuguesa de Ciclismo

DECO - Dia Mundial da Energia

















Dia 29 de maio comemora-se o dia mundial da energia e a DECO está, uma vez mais, ao seu lado na proteção dos seus direitos enquanto consumidor de energia. O consumo médio de eletricidade de uma família composta por quatro elementos tem um valor médio anual de 1167€. Conhecer os nossos direitos e adotar comportamentos de eficiência energética na utilização de equipamentos, estar atento à leitura da sua fatura são alguns conselhos que a Associação Portuguesa Para a Defesa Do Consumidor lhe deixa.

A Lei nº 23/96, de 26 de Julho, estabelece o regime jurídico dos serviços públicos essenciais, dirigida à proteção do utente de serviços de água, energia elétrica, gás natural, serviços de comunicações eletrónicas, serviços postais, serviços de recolha e tratamento de águas residuais e gestão de resíduos sólidos urbanos.

Quais os direitos dos Consumidores?

A prestação de serviços deve obedecer a elevados padrões de qualidade e o operador de mercado encontra-se obrigado a prestar esclarecimentos de forma clara e completa sobre as tarifas aplicáveis pelo serviço prestado.

Está prevista a obrigatoriedade de emissão de fatura, com uma periodicidade mensal, que especifique devidamente os valores que apresenta.

Encontra-se proibida a suspensão, da prestação, sem pré-aviso adequado exceto em caso fortuito ou de força maior.

A interrupção que tenha como fundamento o atraso no pagamento da fatura apenas pode ter lugar decorridos vinte dias sobre a advertência escrita para proceder à sua regularização. Na interpelação para pagamento a entidade prestadora deve mencionar os meios de que o consumidor dispõem para evitar a suspensão do serviço.

Está proibida a interrupção de serviço com fundamento na falta de pagamento de um serviço diferente, ainda que incluído na mesma fatura pelo que o consumidor tem direito à quitação parcial, salvo se forem funcionalmente indissociáveis.

O direito de exigir o pagamento do preço do serviço prestado prescreve no prazo de seis meses após a sua prestação.

Dada a necessidade de proteção dos consumidores economicamente vulneráveis quanto ao acesso aos bens essenciais, estes, podem beneficiar de descontos e apoios sociais na fatura do Gás e Eletricidade quer estejam no mercado livre quer estejam no mercado regulado através de atribuição de tarifas sociais.

Constata-se a existência de um generalizado desconhecimento relativamente aos direitos que nos assistem em matéria de Serviços Públicos Essenciais, e ainda, a existência de dificuldades em interpretar a informação constante nas faturas, sobretudo, junto da população com idade mais avançada.
A DECO disponibiliza-se para esclarecer qualquer dúvida que surja sobre esta matéria

Os leitores interessados em obter esclarecimentos relacionados com o Direito do Consumo, bem como apresentar eventuais problemas ou situações, podem recorrer à DECO, bastando, para isso, escreverem para DECO – Gabinete de Apoio ao Consumidor – Rua Padre Estêvão Cabral, 79-5º, Sala 504-3000-317 Coimbra.

Tânia Vieira, Jurista - DECO Centro

PENACOVA - Mais de 500 pessoas caminharam contra o cancro (atualizado)



Cerca de 600 pessoas participaram na 4.ª edição da Caminhada O QUE NOS LIGA, que se realizou, no passado dia 14 de maio, em São Pedro  de Alva, no concelho de Penacova. Promovida pelo Grupo de Voluntariado Comunitário de Penacova do Núcleo Regional do Centro da Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC), a iniciativa pretendeu sensibilizar a população para a adoção de estilos de vida saudáveis, como forma de promoção da saúde e prevenção do cancro, e angariar fundos.

Tendo como ponto de partida a Casa do Povo de São Pedro d'Alva, a caminhada terminou com um lanche partilhado e muita animação, que enriqueceram a iniciativa. Cada inscrição teve o custo de cinco euros, que reverteram na íntegra para a LPCC, destinados às atividades de apoio ao doente oncológico e família, educação e prevenção do cancro.

A Caminhada O QUE NOS LIGA começou a ser realizada no concelho de Penacova em 2014, ano em que reuniu cerca de 300 participantes na freguesia de Figueira de Lorvão. Desde então, a iniciativa já se estendeu a várias freguesias do concelho, verificando-se uma crescente participação da população.