CIM do Baixo Mondego traça estratégia para 2013 - PENACOVA ACTUAL
PUB

ÚLTIMAS

PUB

Post Top Ad

20 de dezembro de 2012

CIM do Baixo Mondego traça estratégia para 2013


“Há um ano aguardávamos, no âmbito da Reforma Administrativa do Estado, a clarificação das funções das Comunidades Intermunicipais, adivinhando-se no discurso governamental um reforço dessas funções. Um ano depois, o contrato entre as comunidades e o Mais Centro para a gestão e alocação de fundos comunitários foi rompido e no âmbito da reprogramação estratégica do QREN foram-nos retirados cerca de 22,7 milhões de euros. Um ano depois, temos uma proposta de lei, que define as atribuições e competências das CIM, cheia de ambiguidades e de pontos de conflito com as atribuições e competências dos municípios. Ou seja, continua pouco clara a esfera de ação das comunidades”. Foi desta forma que o presidente do Conselho Executivo da Comunidade Intermunicipal do Baixo Mondego (CIM-BM), Jorge Bento, se dirigiu aos deputados da Assembleia Intermunicipal, na sessão em que foi aprovado o orçamento e as grandes opções do plano para 2013.

Papel das CIM indefinido
“Igualmente indefinido está o grau de participação das CIM na gestão do próximo pacote de Fundos Comunitários – Estratégia 2020”, referiu Jorge Bento. E para “tornar mais complexa a questão, está em curso uma redefinição dos territórios das NUTS que, extinguindo o Baixo Mondego e o Pinhal Interior Norte, criará uma nova NUTS III (com inclusão de Mealhada e Mortágua e saída de Ansião e Alvaiázere), a que corresponderá uma nova comunidade intermunicipal”.
Se acrescentarmos a realização de eleições autárquicas em 2013, “fácil é concluir que teremos um ano cheio de possíveis sobressaltos pelo que devemos manter o cenário minimalista de atuação da CIM-BM, em termos de GOP, optando por manter a continuidade dos projetos em curso”.
Perante os deputados intermuni- cipais, o autarca clarificou os pontos que vão servir de fio condutor à ação da CIM-BM. Quanto à Estratégia 2020, “importa começar por dizer que os trabalhos de definição de uma política de desenvolvimento, que potencie a utilização do novo pacote de fundos comunitários, irão ser desenvolvidos à escala da nova NUT III – Baixo Mondego e Pinhal Interior Norte. Sabemos apenas que, até 2015, as atuais CIM continuarão a desempenhar as suas funções de conclusão de projetos financiados pelo QREN. Entendemos que, na medida do possível, devemos ter uma posição pró-ativa, apresentando propostas e avançando com os estudos nas áreas que se forem consolidando como sendo da esfera municipal, por exemplo na regeneração urbana”, sublinhou Jorge Bento, anunciando que a CIM-BM irá “começar a trabalhar com a colaboração da Augusto Mateus&Associados de modo a rapidamente estarmos aptos a discutir com o Governo uma estratégia para o território, a que agora devemos enfatizar como região de Coimbra”.

Avançar a ciclovia
O Conselho Executivo deliberou dar seguimento à Ciclovia do Mondego e negociar junto do secretário de Estado da Economia “a garantia de financiamento quer ainda no âmbito do atual quadro comunitário, em valor mais reduzido e de modo a possibilitar o início da obra, quer sobretudo no âmbito do próximo”, adiatou Jorge Bento.
Na ação social a CIM-BM “avançou com o projeto da teleassistência a pessoas isoladas”, projeto que verá “reconhecido o seu mérito em 2013”.
"Tendo como pano de fundo a competitividade da região a nível nacional mas também internacional, as políticas de complementaridade devem conceber-se à escala da NUT II, região Centro. A região de Aveiro e o Pinhal Litoral, em primeira linha, deverão ser aliados com que devem ser concertadas ações de afirmação das nossas políticas”, defendeu Jorge Bento.
















Sem comentários:

Post Top Ad