Estradas de Portugal lança concurso de 10 milhões para obras nas estradas da região



A Estradas de Portugal lançou um concurso público, com um valor base de 9.950.000 euros destinado à conservação corrente das estradas que integram a rede rodoviária do distrito de Coimbra sob a tutela daquela empresa pública. Em causa está a contratação de trabalhos de requalificação e manutenção, a realizar entre 2013 e 2016, nos 703 quilómetros de estradas e nas 404 obras de arte, entre pontes, viadutos e outras travessias, localizadas no distrito, a cargo da Estradas de Portugal.
De acordo com a Estradas de Portugal, as intervenções a realizar consistem na «requalificação e manutenção de pavimentos, bermas e valetas, passeios, nas intersecções, ilhéus e separadores», bem como na «reposição e adequação da sinalização e outros equipamentos de protecção e segurança», envolvendo, também, a «estabilização e conservação de taludes e da rede de vedação». O concurso contempla, também, a «reparação de manutenção de obras e arte» e «diversas actividades ambientais, como poda de árvores e limpeza de terrenos adjacentes à plataforma rodoviária», acrescenta ainda a Direcção de Relações Institucionais da Estradas de Portugal.
A mesma fonte esclarece ainda que «a EP tem equipas que diariamente percorrem estas vias e, sempre que seja assinalada uma qualquer necessidade de melhoria ou correcção, quer pela acção inspectiva
destas equipas, ou através de alertas que cheguem, é despoletada a intervenção adequada». Trata-se, diz ainda, de «intervenções pontuais e de pequena extensão», que visam «assegurar a conveniente conservação das estradas». Desta forma, esclarece, evita-se uma «maior degradação» que implicaria «trabalhos mais profundos e com maiores custos financeiros e elevados transtornos às populações».
Além do concurso referente ao distrito de Coimbra, a EP lançou, este mês, outros 17 concursos públicos, que contemplam cada um dos distrito do continente e representam, refere a mesma fonte, um valor base de 141 mil euros, visando a contratação de trabalhos de requalificação e manutenção de mais de «14 mil quilómetros que constituem a rede rodoviária nacional sob sua jurisdição». O preço base do concurso corresponde a um custo médio de 3.327 euros em conservação/quilómetro/ano, refere a EP, sublinhando uma «redução de 17% relativamente ao valor actualmente contratado».
Estes contratos incluem os 660 km de vias que integravam contratos de subconcessão que regressaram, agora, à responsabilidade da Estradas de Portugal, em resultado das recentes renegociações, envolvendo diversos eixos rodoviários em todo o território nacional.
Esta contratação da conservação corrente da rede viária vai permitir a EP, sublinha a empresa, um «maior rigor na gestão dos recursos, maior capacidade de resposta face às necessidades de intervenção», ao mesmo tempo que assegura um «controlo permanente dos resultados, tendo em vista a contínua melhoria da qualidade do serviço prestado». Um investimento que se insere na política de melhoria e da segurança da rede nacional rodoviária que a EP tem a seu cargo. DC

  etiquetas