ATROPELAMENTO - Morreu atropelada numa passadeira escondida

A passadeira na rua Bernardo Albuquerque ainda não tinha sido pintada desde o alcatroamento. A Vítima tinha 61 anos e morava em S. Mamede; Penacova

Maria Baptista dos Santos, 61 anos, e residente em S. Mamede, Penacova, morreu ontem atropelada na rua Bernardo Albuquerque, entre Celas e os Olivais, em Coimbra. O atropelamento registou-se por volta das 8h45 quando um carro que subia a rua atingiu com grande violência a vítima. Politraumatizada, a mulher estava já inconsciente quando o INEM chegou ao local e foram iniciadas manobras de reanimação cardiopulmonar no local, que se prolongaram até à Urgência dos HUC, onde acabaria por falecer na sala de emergência. Casada com António de Jesus Simões, era mãe de Sandra Margarida Santos Simões, Maria de La-Salete Santos Simões e Pedro Romeu Santos Simões. O funeral realiza-se hoje, pelas 17h45 horas da Capela de São Mamede para o cemitério local.
A condutora do veículo ligeiro, de marca Toyota, ficou em choque e apesar de ter sido chamada uma ambulância acabou por não ir ao hospital.
O acidente registou-se num local que foi alcatroado recentemente e onde ainda não foi pintada a passadeira que lá estava. Segundo fonte policial, basta o facto de lá estar a sinalização vertical para obrigar os automobilistas a parar. Segundo a Câmara Municipal de Coimbra, tecnicamente a sinalização horizontal só pode ser colocada entre uma a três semanas após a colocação do piso, pelo que em breve isso será feito. Aliás, há outras ruas (Afonso Henriques, Miguel Torga e outras) que aguardam pela pintura e carecem do mesmo problema. A mesma fonte autárquica recusou ainda qualquer associação entre a colocação do piso e as eleições autárquicas. A empreitada só recebeu o visto do Tribunal de Contas há poucas semanas e apenas avançaram as obras nas ruas que se encontravam mais necessitadas, refere, dizendo que a empreitada global contemplará dezenas de ruas que só serão alcatroadas depois das eleições.

  etiquetas ,