OPINIÃO - Fogos e eucaliptos* - PENACOVA ACTUAL
PUB

ÚLTIMAS

Post Top Ad

17 de setembro de 2013

OPINIÃO - Fogos e eucaliptos*

É comum a ligação entre fogos e eucaliptos, dizendo-se que os eucaliptos ardem mais e propagam os fogos.
Acontece que esta ligação não está verificada empiricamente em um único estudo científico sobre o assunto, apesar de haver muitos estudos sobre a matéria que dizem o contrário.
Paulo Fernandes escreveu um artigo esclarecedor: “Combining forest structure data and fuel modelling to classify fire hazard in Portugal”.
De uma forma muito fundamentada, Paulo Fernandes demonstra que um povoamento florestal pouco gerido e com elevada densidade de matos reage ao fogo de forma semelhante, independentemente da espécie dominante, afastando-se do comportamento face ao fogo de outros povoamentos com intensa gestão do sub-bosque.
Dos cerca de 800 mil hectares de eucalipto em Portugal, cerca de 150 mil são geridos pelas celuloses, de forma muito intensiva. Os outros cerca de 650 mil são maioritariamente de pequenos produtores que ou não os gerem, ou os gerem de forma muito pouco intensiva (com excepções).
No fogo do Caramulo, que terá atingido uma área próxima de 14 mil hectares, cerca de sete mil seriam eucaliptal, puro ou misto com pinheiro. Menos de cem hectares dos eucaliptais ardidos estavam sob gestão das celuloses (que conseguem taxas de prevalência de fogo que são um quarto da média do país).
Se houver montado em que o sub bosque não é gerido, não havendo uso agrícola ou de pastoreio, pode haver fogos de 20 mil hectares em sobreiro, como no ano passado, na serra do Caldeirão.
Sempre que houver eucaliptais, pinhais, sobreirais e carvalhais pouco maduros, igualmente sem gestão de sub-bosque, poderá arder dias seguidos.
O relevante é a estrutura do povoamento e a quantidade e densidade de combustível disponível para arder, não é a espécie dominante.
Quer isto dizer que o melhor para Portugal seria ter eucaliptais geridos pelas celuloses (ou com o mesmo modelo de gestão) em todo o lado, visto ser esse modelo de exploração que gera recursos suficientes para pagar uma gestão intensa do sub-bosque?
Não, de maneira nenhuma.
Portugal seria um país, na sua maior parte, triste e desinteressante, como são os eucaliptais industriais.
Seria um país mais eficiente na produção de eucalipto (poderíamos produzir mais eucalipto em menos área) e na gestão do fogo, e isso seria positivo.
Mas será com certeza mais positivo conseguirmos melhorar a gestão de eucalipto nas zonas onde ele está e se justifica, mantendo, no entanto, a diversidade de usos e o mosaico que caracteriza a nossa paisagem.
Portugal não é um país de vocação florestal – em tempos repeti que Viriato era pastor, não era lenhador – mas um país que pode produzir floresta, de preferência com a eficiência das celuloses, desde que saiba integrar pastorícia, agricultura, conservação da biodiversidade e etc..
Pretender que os fogos resultam ou são, de maneira relevante, negativamente influenciados pela produção de eucalipto, é uma premissa totalmente falsa que promove o desperdício de esforços a combater moinhos de vento.
O que não ajuda a encontrar as soluções óptimas de gestão do território, com equilíbrio de usos, sustentabilidade económica e justiça na distribuição de ganhos e perdas.
Declaração de interesses: cerca de 5% dos meus rendimentos provêm do sector das celuloses, sendo os restantes 95% provenientes de sectores que detestam profundamente o eucalipto, pelo que este artigo pode estar influenciado pelo meu interesse pessoal em dizer mal do eucalipto.
Opinião de Ricardo Garcia, originalmente publicada AQUI

3 comentários:

  1. Peço desculpa por não escrever bem, mas a minha língua Mãe está um pouco esquecida depois de ter vivido quarenta anos na Austrália. Mas é devidamente por isso que gostaria de dar um pouco de informação acerca do Eucalipto, pois é nativo da Austrália. A propagação natural do Eucalipto é através de fogo, até criando fogos por si mesmo. Partes da casca do tronco que muitas vezes se vêm pendurados nos ramos, separam-se e voam com os ventos criando novos fogos muitas vezes muitos quilómetros longe. É importante também saber que o  Eucalipto usa muita água do subsolo, muito mais que o pinheiro e os nossos animais nativos, como os pássaros, não encontram comida nestas florestas. 
    O interessante é que eu vivo numa área na Austrália, onde há grandes plantações de pinheiros para fins de polpa. Por isso há melhor alternativas para um país maravilhoso como é Portugal que infelizmente corre o risco de desertificação.

    ResponderEliminar
  2. Aqui está um bom 'link' do governo Australiano, e peço  desculpa ser em Inglês. Nele falam da grande flamabilidade do Eucalipto, de como as sementes se propagam através de fogo, adaptabilidade, sede e muito mais informação. 
    http://www.daff.gov.au/__data/assets/word_doc/0003/59223/nat_cra_whs.doc.
    A primeira vez que ouvi falar das plantações do Eucalipto em Portugal foi na televisão Australiana há muitos anos a trás, talvez até nos fins dos anos setenta. O documentário  era acerca das plantações do Eucalipto em Portugal e também das fábricas do palpo e do papel e do subsequente grande desastre ambiental que seria para Portugal. Na opinião do documentário, essas praticas estavam a ser puxadas por companhias inglesas que não queriam trazer esses custosos problemas à Grã Bretanha. Foi pena que esse documentário não tenha passado pela televisão Portuguesa. 

    ResponderEliminar
  3. Aqui está um bom 'link' do governo Australiano, e peço  desculpa ser em Inglês. Nele falam da flamabilidade do Eucalipto, de como as sementes se propagam através de fogo, a sede da árvore e muita outra informação:
    http://www.daff.gov.au/__data/assets/word_doc/0003/59223/nat_cra_whs.doc.
    A primeira vez que ouvi falar das plantações do Eucalipto em Portugal foi na televisão Australiana há muitos anos a trás, talvez até no principio dos anos oitenta. O documentário  era acerca das plantações do Eucalipto em Portugal e também das fábricas da polpa e do papel e do subsequente grande desastre ambiental para Portugal. Na opinião do documentário, essas praticas estavam a ser puxadas por companhias inglesas que não queriam trazer esses custosos problemas à Grã Bretanha e por isso estavam a usar paises mais pobres como Portugal. Foi pena que esse documentário não tenha passado pela televisão Portuguesa. mas talvez a televisão Portuguesa ainda o possa passar.

    ResponderEliminar

Leia as regras:

1 - Todos os comentários são lidos e tendencialmente moderados.
2 - Os comentários ofensivos não serão publicados.
3 - Os comentários apenas refletem a opinião dos seus autores.