SAÚDE : Aumento da carga horária permitiu garantir médico de família a mais de 175 mil utentes - PENACOVA ACTUAL
PUB

ÚLTIMAS

PUB

Post Top Ad

25 de fevereiro de 2014

SAÚDE : Aumento da carga horária permitiu garantir médico de família a mais de 175 mil utentes

Mais 175 mil utentes passam a ter direito a médico de família com o aumento de 5 horas semanais na carga horária destes profissionais, avança o Diário de Notícias. Mais de 1000 médicos já tiveram o aval do Governo para passar das 35 horas semanais para as 40 horas, sendo que metade são médicos de família e acrescentam, assim, às suas listas 350 utentes.

“Transitaram já para o novo regime de trabalho de 40 horas semanais 1168 médicos”, diz a Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) ao Diário de Notícias. A mesma entidade avança que cerca de 500 destes médicos são de medicina geral e familiar e vão atender mais 350 utentes por lista, aumentando em 175 mil o número de pessoas com direito a médico de família.

“Cerca de 500 médicos correspondem a médicos de medicina geral e familiar. Passam de uma lista de 1550 utentes para 1900. Não há diferenças a nível de distribuição geográfica. Se todas as administrações regionais de saúde fossem mais lestas, poderíamos ter ainda mais pessoas com médico de família”, afirmou à mesma publicação o Sindicato Independente dos Médicos (SIM).

A entidade sustenta que a lentidão na transição das 35 para as 40 horas é “grave” porque “contraria a ordens públicas do ministro”, acrescentando ainda que as administrações dos hospitais também dificultam o processo ao preferirem manter regimes de horas extraordinárias e contratar empresas de prestação de serviços ao invés de pagar essas horas em regime normal com pessoal do serviço interno.

A nível orçamental prevê-se que não se sinta muita diferença com esta mudança dado que o que se pagará a mais em ordenados fixos será eliminado das horas extraordinárias.

Recorde-se que, esta medida de aumento de carga horária faz parte de um acordo feito entre os sindicatos médicos e o Ministério da Saúde.

Sem comentários:

Post Top Ad