AVELEIRA - Suspeito de agressões brutais a vizinho detido pela PJ

A Polícia Judiciária deteve um homem suspeito de tentativa de homicídio a um vizinho. Gravidade das agressões colocaram vítima em “risco de vida”



Motivos fúteis terão estado na base de violentas agressões entre dois homens, de 49 (suspeito) e 39 anos (ofendido), no dia 8 deste mês, em Penacova. O mais velho foi detido pela Polícia Judiciária (PJ), através da Diretoria do Centro, por “tentativa de homicídio qualificado na sequência de graves desavenças com o ofendido”.

O suspeito, desempregado, terá cometido o crime com recurso a “um objeto contundente”, um pau que tinha na sua posse. Os factos, de acordo comum comunicado ontem divulgado pela PJ, “ocorreram na sequência de graves desavenças entre o suspeito e o ofendido, tendo o primeiro atingido a vítima com vários golpes na zona da cabeça, provocando-lhe diversas lesões, nomeadamente traumatismo crânio-encefálico grave”.

Vítima com “prognóstico reservado”

Contactada fonte da PJ de Coimbra disse que a vítima, o homem de 39 anos, tem “prognóstico reservado e está em risco de vida”. Na base destas violentas agressões, e segundo o suspeito, estarão eventuais afirmações que a vítima fez sobre ele. Contudo, e dado que o estado de saúde do homem que foi vítima de agressão não permite saber a sua versão sobre os factos, as autoridades esclarecem que nada poderia justificar o que foi feito.

Na localidade do concelho de Penacova onde ambos residem, a população conhece a atitude “violenta” do agora detido. Aliás, de acordo com a PJ, trata-se de uma pessoa “muito violenta” que é “temida pela população” e que usa “qualquer argumento para reagir com violência”.
A mais grave e agora denunciada foi a 8 de março. E poderão até existir testemunhas do que aconteceu naquele dia, mas ninguém quererá falar com “receio de represálias”.

A fonte da PJ contactada pelo nosso jornal, esclarece que até a ausência de motivo pode desencadear um comportamento agressivo. Por isso, tudo isto causou “grande alarme social” e até à detenção do suspeito “não havia paz” naquela localidade. Além disso, os motivos que invoca, e que não podem ser confrontados junto da vítima, “não justificam as agressões” que terá praticado. “São motivos fúteis para o nível de agressões brutais que a vítima sofreu”, afirmou a mesma fonte.

“Muito perigoso e violento”

O arguido, que vive sozinho e não tem emprego, é considerado “muito perigoso e violento” e tem antecedentes criminais por “crime de sequestro (cumpriu uma pena de prisão) e por ofensas corporais graves”.

Agora terá sido em “pleno dia” e com recurso a um pau “e com vários murros e pontapés”, depois de uma abordagem na rua, que atingiu o homem de 39 anos. A vítima, seu vizinho, está numa situação de risco de vida e, pelas agressões sofridas, poderá sofrer sequelas graves, como explicou fonte da Judiciária. Já ao suspeito, e na sequência de buscas domiciliárias que foram efetuadas ,” foram-lhe apreendidas diversas armas de fogo (pistolas e caçadeiras), em situação ilegal, que o mesmo guardava na residência”. Foi detido na última quinta-feira, presente a primeiro interrogatório judicial, na sexta-feira, tendo-lhe sido aplicada a medida de coação de prisão preventiva.| Rute Melo

Originalmente publicado no Diário As Beiras - não disponível online

  etiquetas