ÁGUAS DO MONDEGO sensibiliza para preservar meio ambiente

A Águas do Mondego dedica parte da sua actividade à educação ambiental. A empresa recebe centenas de alunos nas suas instalações e realiza acções de sensibilização nas escolas


A formação é indispensável na sociedade actual. A Águas do Mondego (AdM), sendo uma empresa responsável pela captação, tratamento e distribuição de água para consumo público e pela recolha, tratamento e rejeição de efluentes dos municípios de Ansião, Arganil, Coimbra, Condeixa-a-Nova, Góis, Leiria, Lousã, Mealhada, Miranda do Corvo, Penacova, Penela e Vila Nova de Poiares, preocupa-se com a prevenção da poluição e a utilização eficiente do bem escasso que é a água. Por isso, desenvolve actividades formativas direccionadas, quer para escolas, quer para a população em geral, sensibilizando para as temáticas ambientais, através das visitas às suas infraestruturas e acções didáticas nos vários municípios.

Na próxima sexta--feira, a Águas do Mondego recebe a visita de formandos da APCC - Quinta da Conraria que, no âmbito do Módulo de Educação Ambiental, vão visitar a ETAR do Choupal. Ainda este mês, alunos da Licenciatura de Engenharia Ambiental da Escola Superior Agrária de Coimbra vão visitar a ETA da Boavista, tal como no próximo mês, está prevista a visita de alunos do Curso Profissional da Escola Secundária de Pombal que vão conhecer o dia-adia, na ETAR do Choupal, na ETA da Boavista e no Laboratório da AdM, Já os alunos de Mestrado em processos Químicos e Biológicos, do ISEC vão visitar a ETAR do Choupal e perceber como funciona. Até final do ano, estão ainda previstas as visitas de alunos do Instituto Polítécnico de Leiria e do Agrupamento de Escolas de Arganil.

As acções de sensibilização da Águas do Mondego pretendem, além de informar os jovens sobre o ciclo urbano da água (como chega a água às torneiras e para onde vão as águas sujas), alertá-los para a necessidade de racionalizar este bem precioso, insubstituível e fundamental para a sobrevivência não só do ser humano como de todas as espécies. Registe-se, a propósito, que a água se encontra distribuída de forma desigual no tempo e no espaço, o que leva a que 25 % da população mundial não tenha água própria para consumo.

Nos países mais desenvolvidos, além da água chegar aos consumidores, com qualidade controlada, há ainda o processo de tratamento das águas residuais que, além de evitar a poluição do meio ambiente, pode ainda ser reutilizada para diferentes fins.

Assim, as visitas são direccionadas para alunos do ensino básico e secundário e também para alunos do ensino superior. Em cada visita, há a preocupação de abordar as diversas questões ligadas à captação da água e ao seu tratamento, de acordo com as idades e com as temáticas abordadas na escola.

Além das acções de sensibilização dirigidas às escolas, também a população em geral pode visitar as ETA’s ou ETAR’.s.

Se hoje Coimbra consegue abastecer seis concelhos, através das captações de água que faz na Boavista, recorde-se que o abastecimento de água em Coimbra remonta aos finais do século XIX. Em 1889, a água era captada na Cerca dos Ventos (actual Parque Manuel de Braga), num sistema que se manteve por mais de 50 anos. Depois passou para a Boavista, com uma nova metodologia que tem vindo a ser alterada, de acordo com a evolução tecnológica A Águas do Mondego tem as portas abertas e recebe visitas, solicitadas através do email visitas@mondego.adp.pt, com intuito de explicar o processo de tratamento que é feito na ETA e ETAR e quais as práticas que os cidadãos devem ter no seu dia-a-dia, com pequenos gestos individuais que, multiplicados or todos, podem fazer a grande diferença para uma boa gestão de um recurso tão precioso como é a água. Mais informações em www.aguasdomondego.pt.|DC

  etiquetas