FISCALIZAÇÃO - “Aceleras” obrigados a “travar a fundo"

74 militares dos diferentes destacamentos do Comando Territorial de Coimbra participaram numa mega operação de patrulhamento preventivo


Tem sido uma aposta forte, nos últimos tempos, do Comando Territorial de Coimbra da GNR, visando promover a segurança e diminuir a sinistralidade rodoviária nos principais eixos rodoviários da região. Falamos na intensificação do chamado patrulhamento preventivo que, quinta-feira, registou mais uma mega operação. Os resultados continuam a “surpreender”.

Com efeito, de acordo com fonte do comando, e apesar do controlo de velocidade não ter sido efectuado através do “minucioso” e “discreto” radar, antes por uma viatura especializada em perseguição, foram registadas cinco situações de excesso de velocidade. A experiência mais relevante aconteceu na auto-estrada do Norte, ao quilómetro 192, no sentido Sul-Norte, com uma viatura que circulava a 228 km/hora, ultrapassando em mais de 100km a velocidade permitida por lei naquela via.

Igualmente “acelera” revelou-se, de acordo com a mesma fonte, o condutor surpreendido na Estrada Nacional 341, na zona da Taveiro (Coimbra), que circulava a uns “modestos” 164 km/hora, garantidamente o dobro da velocidade máxima permitida naquela via.

Segundo o comando da GNR de Coimbra, o «patrulhamento preventivo» centrou-se na auto-estrada do Norte, IC2, IP3 e também na EN 341, e envolveu «um total de 74 militares», pertencentes aos diferentes destacamentos do Comando Territorial de Coimbra.

O resultado da operação aponta para um conjunto de 88 autos de contra-ordenação por infracções diversas, entre as quais se destaca a falta do uso de cinto de segurança, utilização do telemóvel durante a condução, incorrecto acondicionamento da carga e excesso de peso.

O excesso de velocidade, considerado «um risco acrescido de acidentes de viação», contabilizou cinco situações e quatro foram os autos por condução sob o efeito do álcool, com o valor máximo registado a atingir os 1,13 gramas, o que significa o limiar máximo da contra-ordenação.

A operação permitiu, ainda, que os militares do posto de Ançã, procedessem, durante a fiscalização rodoviária, à detenção de um suspeito por tráfico de estupefacientes. Trata-se de um jovem de 18 anos, que tinha em seu poder 40 doses de haxixe.

A GNR garante que vai continuar a fazer «um esforço de fiscalização nestas vias», visando que «a circulação rodoviária se paute por níveis de segurança e de condução prudente e consciente».

Jornalista Manuela Ventura

  etiquetas ,