MEMÓRIAS - A propósito do MODA LORVÃO 2015, recorde-se um concurso de beleza em 1921 - PENACOVA ACTUAL

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

1 de maio de 2015

MEMÓRIAS - A propósito do MODA LORVÃO 2015, recorde-se um concurso de beleza em 1921


“Nos anos 20, a mulher assumiu uma atitude moderna e na maioria das vezes causou espanto com as suas atitudes consideradas avançadas para o seu tempo”. Estamos na época conhecida por “Anos Loucos”, fenómeno que registou  contornos mais marcantes ao nível das elites sociais do mundo ocidental.

No entanto, imaginemo-nos em Lorvão no ano de 1921. Não terá havido desfile organizado, tal como vai acontecer amanhã no I Grande Desfile de Moda. Todavia,  a beleza feminina, quer natural, quer potenciada pelo vestuário e adereços, são notas comuns às duas iniciativas.

Naquele ano, em finais de Julho, o jornal da terra “O Progresso Lorvanense”  lançou um “Concurso de Beleza”, imagine-se!  Bem longe dos meios de votação através da internet, o que é certo é que os votos foram chegando à redacção do jornal dirigido por Joaquim Rosa da Silva.

Noticiava-se  a 31 de Julho de 1921: “Muito nos honra o amável acolhimento ao nosso concurso de beleza . Ainda apenas uma semana há que ele foi aberto e já recebeu 72 votos”

Foi no jornal de 7 de Agosto, no número 29, que se publicitaram  os resultados.E quem foi considerada a “rainha da beleza da freguesia”? Nem mais nem menos que a “menina Alice”, de seu apelido Henriques, que  obteve  88 votos. Seguiram-se-lhe Clementina Simões com 63, Deolinda Tomé  com 11, Francelina Casimira com  6, Aurora da Rosária com 2, Palmira Tomé com 4, Luz da Rosária com 2 e, por fim,   Lúcia da Cruz com apenas 1 voto.

A terminar este breve apontamento  recordemos uma quadra  que reflecte um pouco este ambiente de alguma sedução. Faz parte de uma poesia de sabor popular dedicada a Lorvão, escrita por Manuel d’Almeida  (que pressupomos ser um lorvanense)  e publicada por aquelas alturas no “Progresso”:  

FOSTE NAMORADA FIEL E PACIENTE
TESTEMUNHA MUDA E PRUDENTE
DE ENTREVISTAS NOCTíVAGAS, AMOROSAS
E DE BEIJINHOS POR BOCAS SEQUIOSAS

Uma viagem no tempo que está ao alcance da imaginação de  cada um de nós...

David Almeida