REFUGIADOS - Diocese de Coimbra quer acolher uma família de refugiados por paróquia - PENACOVA ACTUAL

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

23 de setembro de 2015

REFUGIADOS - Diocese de Coimbra quer acolher uma família de refugiados por paróquia

Diocese de Coimbra quer acolher uma família de refugiados por paróquia Ajuda Igreja já começou a sensibilizar paroquianos, distribuindo informação sobre a PAR e recordando que “do outro lado está quem foge à morte”

A Diocese de Coimbra está empenhada em cumprir a indicação dada recentemente pelo Papa Francisco e pretende acolher, no futuro, pelo menos uma família por paróquia. «É o nosso desejo», confirmou frei Domingos, arcipreste de Coimbra Urbana, adiantando que a diocese já se inscreveu na Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR) e começou «a sensibilizar os paroquianos para a importância de recebermos refugiados».

A permanência, entre sexta- -feira e domingo, da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima em Coimbra será um momento em que a diocese aproveitará para intensificar essa sensibilização, continuou o responsável pelo Arciprestado de Coimbra Urbana, convicto que «através de Maria será possível aprofundar esta matéria, explicar às pessoas que não é preciso terem medo e falar na importância de ajudar estas pessoas a terem uma casa». Frei Domingos falava durante a conferência de Imprensa para a apresentação do programa da Diocese de Coimbra da visita da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima (ver texto na página 5), que decorreu ontem no Seminário Maior, sublinhando que um dos objectivos destes três dias de devoção é precisamente que sejam de «exercício de amor para se obter a paz». A questão dos refugiados que, como adiantou o Papa Francisco, «fogem da morte, são vítimas da guerra e da fome e devem ter ajuda», não poderia ser mais indicada.

Para já, foi distribuído pelas paróquias da Diocese de Coimbra material informativo sobre o PAR, para ser divulgado e entregue aos paroquianos. «Há muitas resistências, temos de superá-las. Do outro lado está quem foge à morte», reforçou frei Domingos, desmistificando a ideia dos que se questionam sobre «os nossos pobres, os nossos que não têm casa». «Esses também têm ajuda, das instituições, do Estado. Estes, neste momento, não têm na da», recordou.

A Diocese de Coimbra tem 268 paróquias e só no Arciprestado de Coimbra Urbana há 12, o que significa a possibilidade de virem a ser acolhidas, apoiadas e acompanhadas, pelo menos, outras tantas famílias de refugiados em Coimbra. Frei Domingos admite, no entanto, a possibilidade de «duas ou três paróquias [mais pequenas] se juntarem para receber refugiados». Recorde-se que a PAR, que tem vários níveis de ajuda, garante dois anos de acompanhamento às famílias de refugiados acolhidas em Portugal, em vários níveis, através das instituições – como a Diocese de Coimbra – que nela estejam inscritas.