OPINIÃO - Quo Vadis?

Um novo Governo surge e já fez história, no meio da refrega política e, como se previa, o Governo Socialista. O Governo de toda a esquerda surge, e declara, que irá tornar o país diferente. Para o país do que mais positivo se retira é que todas as leis aprovadas por esta maioria serão eminentemente sociais, acordadas antes nos bastidores da Assembleia. O grande ponto fraco será numa crise: caso haja necessidade de uma decisão célere ou alguma medida menos popular essa decisão não será viabilizada. Em caso extremo, o Governo poderá cair.

Sem o espartilho da troika e da intervenção a que Portugal foi sujeito, este Governo tem o desígnio messiânico de nos reerguer socialmente, em toda a sua globalidade. Os seus desafios serão principalmente cinco: Politico, Económico, Educação, Sociedade e Europa. Politicamente o novo Governo terá forçosamente de convencer o país de que valeu a pena derrubar o anterior Governo e quebrar com a tradição de que quem ganha eleições é quem governa. Neste sentido está refém dos resultados. A criação de emprego, níveis de educação efetivos, reverter a fuga de jovens e um novo salário mínimo são reivindicações latentes contrabalançadas com compromissos europeus e pagamento do serviço da dívida. Este frágil equilíbrio depende dos acordos que consiga à esquerda apesar de, no entanto, a direita estar vinculada a compromissos do seu programa eleitoral, sendo esta uma solução a explorar. É neste sentido que o novo Governo pode ter um aliado inesperado se o interesse nacional for respeitado.

Na Economia a política de emprego é a principal emergência. Neste sentido a continuidade do incentivo à competitividade das exportações é importantíssima. Na mesma linha, maiores facilidades fiscais para a criação de empresas podem ser a chave. Muito já se faz! Existem incubadoras de empresas ligadas a Universidades unindo o melhor de dois mundos, imensos programas de apoio à contratação e estágios, ou seja, muito já se tenta para que haja sucesso ao nível económico. Se os nossos jovens são o futuro, não nos podemos esquecer dos mais velhos cuja dificuldade é maior na inserção no mercado de trabalho. Uma justiça mais célere é essencial para reavivar a economia.

Na Educação é de congratular o plano que o Governo pretende apresentar, publicada no Diário Económico a 30 de Novembro. Estágios durante todo o curso Universitário são a solução mais interessante de criar valor não só para os alunos como para as empresas e instituições que os recebam. Mais ainda, na minha opinião, a criação de um grande plano da educação, enviando especialistas para países com melhores resultados nesta área. Apesar das nossas especificidades como país, podemos adaptar-nos sem precisar de “inventar a roda”. Também a informação, com dados recolhidos pelo INE sobre a necessidade nacional de profissionais em Portugal e percentagens de empregabilidade por curso, (universitário e profissional), combateriam o desemprego jovem.
A Sociedade é um assunto preocupante. Reverter a vaga de emigração jovem e reverter a pirâmide demográfica são problemas primeiros, dependentes de todos os objectivos anteriores. Se a cultura de maior qualificação e de trabalho dos anos 90 do século passado foi frustrada pelos tempos hoje vividos, o revivalismo da economia, da política e da educação são a solução. A melhoria das condições de vida e o investimento na cultura, (da sua singularidade em Portugal), são a forma do orgulho do português e são uma resposta para a fixação dos mais jovens.

O tema Europeu é o mais complicado. Estamos num mercado único, de livre circulação de bens, pessoas, serviços e capitais, com moeda única, partilhada e política de concorrência próprias. Se os fundos europeus nos dão a hipótese de evolução social e convergência económica, o respeito e cumprimento das normas europeias são estratégicas para os objectivos ao nível interno. Dar a conhecer a Europa nas suas potencialidades e nas suas consequências é meta última neste entendimento.

Os objetivos agora elencados não têm caminhos claros, imediatos e estanques. A única certeza é que num quadro político de um Governo em minoria na Assembleia, mais minoritário que a oposição e sujeito a acordos com 3 partidos é uma tarefa hercúlea. Para alcançar a estabilidade, prudência e pragmatismo irão ser a regra, o contexto e caráter vão ser a lei.

Tudo indica que temos os heróis de uma epopeia, cujo destino é incerto e com objetivos bem claros. Agora será que os objetivos vão ser atingidos?


Armando Mateus

  etiquetas ,