ESTRATÉGIA - Penacova avança no Turismo de Natureza

Humberto Oliveira, presidente do município de Penacova, assinou recentemente o contrato que visa, juntamente com os municípios da Mealhada e de Mortágua, bem como com a Fundação Mata do Buçaco, todos representantes do território da Serra do Buçaco, desenvolver o consórcio que iniciou já a sua ação através da candidatura a iniciativas que visam o reforço da estratégia intermunicipal de desenvolvimento da Serra do Buçaco nas vertentes natural e cultural.

O contrato de consórcio assinado este sábado por Humberto Oliveira, no auditório da Moagem - Cidade do Engenho e das Artes no Fundão, tem por base a Estratégia de Eficiência Coletiva PROVERE iNature - turismo sustentável em áreas classificadas, apoiando-se no planeamento e gestão da Serra do Buçaco enquanto destino turístico, centrado na temática do turismo de natureza, partindo de uma abordagem sustentável ao uso dos recursos endógenos e assente num trabalho de envolvimento dos agentes locais. Do consórcio fazem parte as áreas classificadas da Serra da Estrela, Tejo, Gardunha, Malcata, Côa, Buçaco, Açor, Vouga-caramulo, Sicó-Alvaiázere, Aire e Candeeiros.

De acordo com Humberto Oliveira, “há um bem com valor de património natural da Região Centro, que é comum, e que importa preservar, dinamizar e impulsionar com sustentabilidade, encarando-o enquanto oferta integrada com potencial para o desenvolvimento e consolidação do produto Turismo de Natureza”. Com este avanço, o município de Penacova realça uma vez mais o potencial da natureza como eixo de diferenciação entre territórios e gerador de uma nova economia sustentável voltada para o desporto, o lazer, a cultura, o turismo e a qualidade de vida.

O enquadramento estratégico que o produto Turismo de Natureza assume no âmbito dos principais contextos de intervenção no domínio do turismo, conforme detalhado, entre outros, no Plano Estratégico Nacional do Turismo, no Plano de Ação para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal 2020 e no Plano de Marketing do Turismo do Centro de Portugal.

De acordo com o contrato do consórcio, são levados em conta os efeitos que um processo de valorização sustentável do património natural das áreas classificadas pode exercer para a dinamização do tecido socioeconómico dos respetivos territórios de influência, atuando na mitigação dos efeitos que se fazem sentir de forma transversal a este território, que se insere de forma global no mapa dos Territórios de Muito Baixa Densidade, nos domínios demográfico, económico e social.


O resultado do processo de Avaliação das Estratégias de Eficiência Coletiva aprovadas no âmbito do QREN 2007-2013 e o consequente convite à reformulação da Estratégia de eficiência Coletiva e apresentação de Programa de Ação no âmbito do CENTRO2020 – Programa Operacional Regional do Centro. 

Os Programas de Valorização Económica de Recursos Endógenos (PROVERE), inseridos nas Estratégias de Valorização Económica de Base Territorial, são instrumentos especificamente destinados aos territórios com menores oportunidades de desenvolvimento por causa de uma baixa densidade – populacional, institucional, de atividade económica, etc. – pretendendo estimular iniciativas dos agentes económicos orientadas para a melhoria da competitividade territorial de áreas de baixa densidade que visem dar valor económico a recursos endógenos e tendencialmente inimitáveis do território: recursos naturais, património histórico, saberes tradicionais, entre outros. 

Estes instrumentos, permitem concretizar programas de ação, construídos em parceria e enquadrados em estratégias de desenvolvimento de médio e longo prazo, que contribuam de forma decisiva para o reforço da base económica e para o aumento da atratividade dos territórios-alvo.

  etiquetas , , ,