EMPREENDEDORISMO - Há “milhões” para distribuir pelas start up portuguesas



Há «muitos milhões» de euros para distribuir pelas start up portuguesas que se candidatem à iniciativa StartUpPortugal, informou ontem o presidente do Conselho de Administração da Portugal Ventures. Celso Guedes de Carvalho falava no auditório da Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra (CIM-RC), onde apresentou a iniciativa do Ministério da Economia e da Secretaria de Estado da Indústria, dando a conhecer um projecto que não pretende o surgimento de novas empresas ou fomentar o espírito empreendedor, mas antes ajudar quem já está no terreno, assegurando a longevidade das empresas e aumentando o seu impacto na criação de emprego e de valor económico. É a estratégia nacional para o empreendedorismo.

«Alavancar os activos existentes», sejam start up, incubadoras ou centros de investigação, é, segundo o responsável, o objectivo desta iniciativa governamental criada para um horizonte temporal de quatro anos, correspondente ao tempo de legislatura.

«Há muitos projectos que se tiverem um apoio no seu início de actividade, no desenvolvimento do seu negócio ou no contacto com mercados internacionais conseguem aumentar as probabilidades de sucesso e sobrevivência», explicou Celso Guedes de Carvalho, à margem da apresentação, frisando que apesar de Portugal ter um grande ambiente empreendedor, «todos os dias morrem muitas empresas», ainda que as que nascem sejam em número superior.

Muitas das medidas do Start-Up Portugal já estão a decorrer, outras, até final do ano, vão ter «uma grande aceleração».

Associação assegura execução da estratégia

Certo é, segundo o responsável, que nas próximas semanas vai ser criada a Associação Start-Up Portugal, de direito privado, que assegurará que a estratégia delineada para a iniciativa é executada. Na verdade, Celso Guedes de Carvalho diz que esta associação vai ser o rosto do StartUp Portugal, a entidade a que os interessados se podem dirigir para saberem tudo sobre o projecto. «Ninguém vai ficar perdido», assegura.

O programa foi dado a conhecer a 15 de Março e as medidas apresentadas a 6 de Junho, sendo que a 21 de Setembro está prevista uma apresentação do que foi feito desde que foi lançado o StartUp Portugal e o que vai ser feito até ao final do ano e da legislatura. Ontem, em Coimbra, foi feita uma apresentação, dando a oportunidade aos actores regionais de poderem, nas suas comunidades, fazer a divulgação da informação e permitir que o tecido empresarial local possa beneficiar desta estratégia que tem, assegura Celso Guedes de Carvalho, «muitos milhões» para distribuir através de vários programas, como o Portugal 2020, Vale Incubação, Apoio aos Business Angels, Start Up Voucher, entre outros.

No final, é objectivo do Governo, segundo o responsável da Portugal Ventures, que o país tenha «um dos maiores ecossistemas mundiais para apoio ao empreendedorismo». Mais ainda, «contribuirmos em termos líquidos para a criação de emprego e para o desenvolvimento económico», deseja.

Colmatar falhas identificadas no mercado

As várias medidas da estratégia StartUp Portugal pretendem colmatar falhas no mercado, já identificadas e que, segundo Celso Guedes de Carvalho, passam pela ausência de financiamento para os business angels desenvolverem a sua actividade. Verifica-se também dificuldades de acesso a fundos de capital de risco para poder financiar start up de base tecnológica, ausência de apoios para as incubadoras poderem desenvolver a sua actividade, entre outras dificuldades. Pensada a quatro anos, a estratégia StartUp Portugal foca-se em três áreas de actuação: ecossistema, financiamento e internacionalização.

Margarida Alvarinhas - Diário de Coimbra

  etiquetas , , ,