CULTURA - Mosteiro de Lorvão pode acolher Museu da Língua Portuguesa - PENACOVA ACTUAL
PUB

ÚLTIMAS

PUB

Post Top Ad

1 de novembro de 2016

CULTURA - Mosteiro de Lorvão pode acolher Museu da Língua Portuguesa



Celeste Amaro, directora regional da Cultura do Centro, aventou a possibilidade de criar um Museu da Língua Portuguesa no Mosteiro de Lorvão. A responsável falava, domingo, na sessão de encerramento das celebrações do primeiro aniversário da inscrição do códice “Apocalipse do Lorvão” no Registo de Memória do Mundo”, da Unesco. Celeste Amaro, de acordo com nota da Câmara de Penacova, demonstrou preocupação com a sustentabilidade financeira do conjunto monumental, tendo em conta que os recursos estatais são insuficientes. salientando que existem várias ideias para o Mosteiro de Lorvão, acrescentou mais uma: um Museu da Língua Portuguesa, que não existe no país.

As celebrações, promovidas pela Direcção Geral do Património Cultural, Mosteiro de Alcobaça, Câmara de Penacova, Direcção Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas e Biblioteca Nacional, começaram em Alcobaça, onde se assinalou o primeiro aniversário do “Comentário ao Apocalipse do Beato de Liébana” no Registo de Memória do Mundo da Unesco.

No segundo dia as atenções centraram-se no Mosteiro de Lorvão, onde se assistiu a um conjunto de reflexões. Maria Alegria Marques, da Universidade de Coimbra, abordou a questão “O Mosteiro de Lorvão ao tempo da produção do Apocalipse de Lorvão”, enquanto Maria João Branco, da Universidade Nova de Lisboa, falou sobre “Sancho I e o Mosteiro de Lorvão: contorno de um alegado conflito”. Inês Correia, do Arquivo Nacional da Torre do Tombo, abordou “O Apocalipse de Lorvão na Memória do Mundo. A motivação partilhada no desafio de uma candidatura”. Maria Adelaide Miranda e Maria João Belo, da Universidade Nova de Lisboa referiram-se às cores do códice, terminando as intervenções com Aires Augusto do Nascimento, da Academia de Ciência de Lisboa, e autor do livro “Os antigos códices de Lorvão: balanço de pesquisa e recuperação de tradições», editado pelo município de Penacova, apresentado no final do colóquio.

O evento representou, também, uma oportunidade para admirar um fac-simile do Códice Apocalipse de Lorvão, cedido pela Direcção Geral do Livro, Arquivos e Bibliotecas. Sílvia Lacerda, daquele organismo, deixou a promessa de trazer ao Lorvão, em breve, uma exposição temporária com o original do códice, que se encontra na Torre do Tombo.

Post Top Ad