INOVAÇÃO - A CCDRC lança Balcão de Responsabilidade Social Científica para aproximar instituições na produção e partilha do conhecimento


Foi ontem lançado na Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC) o primeiro Balcão Regional de Responsabilidade Social Científica que visa promover a aproximação entre entidades diversas na produção e partilha do conhecimento. A sessão, que contou com a presença de Maria Fernanda Rollo e Ana Abrunhosa, respectivamente secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e presidente da CCDRC, deu a conhecer um projecto inovador, criado, essencialmente, para fazer este encontro de necessidades e oportunidades.

«Valorizar a importância do conhecimento ao serviço da sociedade, identificando, ao mesmo tempo, parceiros e empresas da região como dominador comum, é uma das questões mais importantes para a difusão e aproveitamento da sabedoria científica», começou por realçar Maria Fernanda Rollo em conversa com os jornalistas.

 secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior reforçou a indispensabilidade das instituições se apropriarem desse conhecimento, produzido por unidades e centros de investigação das universidades e institutos politécnicos.

O Balcão Regional de Responsabilidade Social Científica, como ferramenta pioneira, «não é uma mera plataforma tecnológica, pois não está activo, mas pretende-se encontrar soluções face às fragilidades entre as universidades e a sociedade», vincou Maria Fernanda Rollo.

Por seu turno, Ana Abrunhosa reforçou a ideia ao afirmar que o Balcão Regional de Responsabilidade Social Científica «visa criar mecanismos de aproximação entre instituições, entidades e actores na produção e partilha do conhecimento, criando pontes entre a identificação e análise de necessidades/desafios económicos e as instituições de produção de conhecimento que podem contribuir para lhes dar resposta, de forma colaborativa e em contexto de inovação aberta». Ecossistema regional muito abundante.

Gerido pela CCDRC, o Balcão, na opinião de Ana Abrunhosa, «deverá proporcionar, no Centro de Portugal, a articulação entre o sistema científico e tecnológico e o tecido produtivo, social e cultural».

Ainda segundo a presidente da CCDRC, «estão nos nossos planos contratar três profissionais doutorados para dar resposta cabal a este projecto» tecnológico e de apoio às pessoas, dispondo, naturalmente, de instalações no próprio edifício deste organismo público.


Desmocratizar a partilha do conhecimento, contribuir para melhorar a utilização do conhecimento na produção de valor económico e social e participar na geração de conhecimento são os três princípios que regem o Balcão. Nesta fase piloto, o projecto envolverá as oito Comunidades Intermunicipais (CIM) e os 100 municípios da região das Beiras, pelo facto de terem uma grande proximidade à comunidade e às empresas locais. Além de intensificar a articulação da administração local, este balcão visa identificar e mapear boas práticas já implementadas com o objectivo de as partilhar e disseminar. O ecossistema regional contempla ainda nove instituições de ensino superior, 76 mil alunos do ensino superior, sete parques de ciência tecnológica e 240 mil empresas, centros tecnológicos, cluster e pó- los de competitividade.

Carlos Sousa - Diário de Coimbra

  etiquetas , ,