JUSTIÇA - Passagem de notas falsas julgada em Penacova


Um casal, de 39 e 35 anos, vai ser julgado, no Tribunal de Penacova, por dois crimes de passagem de moeda falsa, neste caso, notas de 50 euros impressas a jacto de tinta, depois de terem enganado um vendedor de fruta, à beira do IP3, e de terem tentado fazer o mesmo, num café do concelho de Seia, na compra de um maço de tabaco.

Dois crimes realizados de forma mais ou menos atabalhoada, até pela fraca qualidade das notas falsas, o que levou a que o primeiro, embora enganado, anotasse a matrícula da viatura, enquanto que a pessoa que atendia no estabelecimento de Seia, uma mulher, confrontasse um dos burlões, precipitando a sua fuga. De acordo com o Ministério Público, trata-se de um homem de 39 anos, natural de Ponta Delgada, mas com residência numa instituição de Évora, e uma mulher de 35 anos, natural e residente em Seia.

No dia 8 de Abril de 2014, seguindo ambos num automóvel pertencente à irmã da arguida, terão usado uma nota falsa de 50 euros - neste caso a mulher - para pagar quatro euros na compra de uma caixa de morangos a um vendedor, na berma do IP3, na zona do Cunhedo, Penacova.

O comerciante entregou o troco, mas só verificou a nota quando o casal já estava a arrancar com o carro, e só teve tempo de apontar a matrícula do veículo e comunicar às autoridades.

No dia seguinte, de acordo com a acusação, o homem terá entrado num café, em Santa Comba, Seia, onde tentou comprar um maço de tabaco com outra nota falsa de 50 euros.

A comerciante que o atendeu suspeitou e confrontou o indivíduo, que agarrou na nota e se colocou em fuga, entrando no automóvel, onde o aguardava a comparsa.

Na verdade, de acordo com o Ministério Público, as duas notas em causa tinham o mesmo número de série e foram feitas numa impressora de jacto de tinta, pelo que os dois arguidos são acusados de dois crimes de passagem de moeda falsa, um dos quais na forma tentada.

José Carlos Salgueiro - Diário de Coimbra

  etiquetas ,