AUTÁRQUICAS - “A nossa obra no concelho fala por nós", defendem os socialistas em dia de apresentação dos candidatos - PENACOVA ACTUAL
PUB

ÚLTIMAS

PUB

Post Top Ad

20 de fevereiro de 2017

AUTÁRQUICAS - “A nossa obra no concelho fala por nós", defendem os socialistas em dia de apresentação dos candidatos



Se o entusiasmo dos jovens socialistas, dos presidentes da Concelhia de Penacova e da Federação Distrital for determinante, então Humberto Oliveira já ganhou avanço na corrida à Câmara de Penacova.

Ontem, em Aveleira (na Quinta Vale Pousado), o almoço de apresentação da recandidatura juntou cerca de 600 pessoas que não regatearam aplausos e reforçaram o apoio a Humberto Oliveira que se faz acompanhar dos atuais presidente de junta de freguesia socialistas.

No entanto, como sublinhou o ministro Vieira da Silva, “ninguém ganha as eleições em jantares ou almoços de recandidatura, nem que tenha as melhores ideias ou equipas”. “As eleições ganham-se com o voto de quem escolhe”, lembrou o ministro que foi apontado e aplaudido como um “amigo de Penacova”.

Obra em todas as áreas

Mas as eleições também se ganham com obra feita. E nisso, tanto o presidente da Concelhia e vereador, Ricardo Simões, como o presidente da Federação Distrital do PS e da Assembleia Municipal de Penacova, Pedro Coimbra, reconheceram que o executivo socialista tem obra feita e colocou o município no mapa nas mais diversas áreas. Seja na cultura – em que a vereadora Fernanda Veiga foi apontada e aplaudida como a grande obreira –, seja nas respostas sociais, no desenvolvimento económico com atração de investimento e empresas, ou nas políticas da educação, da saúde e do desporto.

“Em todas as áreas relevantes da gestão autárquica há trabalho feito”, garantiu Pedro Coimbra, adiantando que “ninguém irá acomodar-se nem deixar de lutar” mantendo as pessoas “sempre em primeiro lugar”.

Apresentando esta recandidatura com “a consciência do dever cumprido”, Pedro Coimbra – que também se recandidata à presidência da Assembleia Municipal – adiantou que as prioridades são agora outras, quer ao nível da recuperação do património (onde se inscreve o Mosteiro de Lorvão), da requalificação urbana e do alargamento das infraestruturas. Politicamente, todos concordaram que manter as seis freguesias e ganhar as duas onde o PS tem “feito uma boa oposição” será uma das principais prioridades.

Rodeado pelos presidentes das seis freguesias que o voltam a acompanhar nesta recandidatura, Humberto Oliveira foi surpreendido pela leitura de uma carta da filha Beatriz que pediu o “voto no seu papá” que “gosta muito de Penacova”. Homem sem medo como foi apresentado, Humberto Oliveira abanou com a carta de uma filha que, como disse, o surpreende “quase todos os dias”.

Com um longo discurso – escrito – o (re)candidato socialista levou os presentes numa viagem pela obra feita, pelos projetos em vias de arrancar e pelos que já estão no terreno. E neste percurso não se esqueceu de agradecer aos presidentes de junta, à equipa de vereação e aos trabalhadores da autarquia. Assumindo-se como um homem direto que não gosta de mandar recados, Humberto Oliveira aproveitou a presença de um ministro para dar quatro recados: um primeiro para os ministros da Economia e da Educação no sentido de olharem pelo processo do Mosteiro do Lorvão que “não se esgota apenas na recuperação do edifício”; um segundo para o ministro das Obras Públicas para dar atenção ao IP3 e à sua requalificação; à ligação do IP3 a Vila Nova de Poiares e à solução para o Metro Mondego, obras que as populações do território merecem; um terceiro recado que aponta a escola de artes como um projeto estratégico. Por fim, um recado direto a Vieira da Silva para que não esqueça o desejado centro de atividades ocupacionais do Lorvão.

Quatro prioridades

Dados os recados, Humberto Oliveira apontou as suas quatro prioridades para um novo mandato: desenvolvimento das diversas atividades ao nível do património – Lorvão, Penacova e S. Pedro de Alva; alargamento do parque industrial de Alagoa e criação de um novo; valorizar o património cultural; fechar as respostas no setor da educação, com a construção do Centro Escolar de Figueira de Lorvão.

E a leitura do discurso não chegou ao fim. Faltaram os agradecimentos oficiais que Humberto Oliveira prometeu fazer “na tomada de posse”.

Eduarda Macário – Diário As Beiras

Post Top Ad