ASSEMBLEIA MUNICIPAL - O Município de Penacova demonstrou alto grau de execução em 2016 - PENACOVA ACTUAL
PUB

ÚLTIMAS

PUB

Post Top Ad

11 de maio de 2017

ASSEMBLEIA MUNICIPAL - O Município de Penacova demonstrou alto grau de execução em 2016




Na Assembleia Municipal de Penacova, realizada no dia 29 de Abril findo, nos diversos mapas apresentados, consta que, em termos de execução, a percentagem se situou nos 79,61%, destacando o documento quais os totais dessas rubricas que mais pesaram nesta matéria, indo em entre parêntesis, a verba de execução. Por exemplo, no Ensino não Superior, 1.214.919,00 € (1.005.829,84 €), Desporto, Recreio e Lazer, 1.077.016,24 € (809.829,38 €), Transportes e Comunicações, 1.370.271,87 € (827.371,75 €) e Transferência entre Administrações, 903.509,70 € (871.300,87 €). O total de execução, em todas as rubricas, atingiu 7.713.221,45 €, num montante total previsto de 9.688.768,55 €.

No Período de Intervenção do Público, deslocou-se ao púlpito o jovem social -democrata, Frutuoso Oliveira, que foi falar do mau aproveitamento dos recursos de água, particularmente o Rio Alva, questionando a vereadora Fernanda Veiga, da forma como defende o turismo sustentável, em relação à qualidade das praias fluviais, perguntando mesmo se «a senhora realmente sabe daquilo que fala». Dizendo mesmo que «Penacova não é só o Reconquinho... não é só o Rio Mondego», a vereadora, sentindo-se ferida pelo modo como o seu nome foi referido, com falta de educação de «um jovem promissor», lembrou-o que no dia 27 o Vimieiro foi galardoado com a Bandeira Azul, que afinal a estratégia está correcta, o mesmo não se podendo dizer do anterior executivo, que «falta de estratégia era o que faltava ao anterior executivo».

Mas antes, seria o Presidente da Câmara a dizer que afinal «o tiro perdeu-se na água», esclarecendo o jovem de que pela 1.ª vez a Praia do Vimieiro foi galardoada com a Bandeira Azul e que por isso, como repetiu Humberto Oliveira, «foi um tiro ao lado», pois se as margens do rio não estivessem limpas não seria galardoada com esse galardão. Além do mais, informou que em 16 de Maio iria haver uma sessão pública na Câmara para se apreciar a Grande Rota do Rio Alva, «como pontapé da saída para a valorização do Rio e do Turismo», na qual se envolve também os municípios de Arganil, Vila Nova de Poiares e Seia, não deixando de haver uma parceria com a União de Freguesias Friúmes/Paradela, com projecto da Câmara, na valorização do rio

Depois…foi dada a palavra aos deputados

Sobre os mais variados assuntos debruçaram-se os deputados, como Márcia Rodrigues, que se congratulou como decorreram as cerimónias do 25 de Abril e do número de obras que estão a realizar-se, mas ressalvou a melhoria da estrada de Carvalho, que «nos envergonha a todos»; Rui Batista rebateu a ideia de que a Escola das Artes fosse entregue à Filarmónica Lorvanense, embora esta «fosse a entidade mais válida para receber este projecto» e que este, como disse o Presidente da Câmara, substitui o Conservatório de Música de Coimbra; Eduardo Ferreira, falou da de curva perigosa na estrada da Aveleira, da vaga de assaltos que por aí se notam, para o efeito devia haver maior vigilância da GNR, e colocação de mais postes de iluminação e que a Escola das Artes é uma boa aposta, referindo o caso de Arganil, que ali foi colocado um pólo da Conservatório de Música de Coimbra, que «é uma boa aposta»; Carlos Sousa, falou sobre o investimento que foi feito no Vimieiro graças ao executivo anterior e a Bandeira Azul «deve-se ao que lá já tinha sido feito» e concordou também que a Escola das Artes é um bom investimento, mas acrescentou que esta podia existir com um protocolo com o Conservatório, que a Câmara podia evitar despesas, que embora não tenha certificação, tem a sua valia; Azougado da Mata, deixou a pergunta como o Município teve que pagar 700.000€ com a reparação do talude, quando era da responsabilidade da empresa da obra; Cristina Roma, qual a situação da Pista da Serra da Atalhada, qual o seu investimento e «se alguém já deu o pontapé de saída para as águas de Friúmes»; Pedro Alpoim falou da posição da JSD, com ironias enviadas ao PS, da importância das iniciativas, como a Pista da Atalhada e do lançamento do Orçamento Participativo; Pedro Dinis, lembrou que «era tempo de o candidato do PSD aparecesse e dizer o que defende», referiu-se à melhoria da sua estrada e «parabéns a Penacova por mais uma Bandeira Azul».

As Grandes Rotas

O Presidente da Câmara, em resposta às perguntas e pareceres que lhe foram feitas, disse que ainda bem que há obras a mais, mas que deviam ter sido feitas, esclarecendo que desde 2013-2017, e comparando os anos de 2005 e 2009, «não é por causa do ano ser de eleições que elas acontecem», porque as obras têm regras na sua concretização. A sua intervenção prosseguiu, dentro dos vários pontos que têm a ver com o turismo, como a Ribeira de Arcos, Pista de Pesca de Vila Nova e a Pista da Atalhada e falou de outros projectos, alguns de cariz municipal e colocá-los a nível intermunicipal, como as Grandes Rotas do Mondego, do Alva e do Buçaco, os caminhos de Santiago, a Rota da Estrada Nacional 2, de Chaves ao Algarve, não falando da Rota Vicentina, que «são projectos fundamentais», embora alguns de expressão comercial, «têm de ser entregues a quem os possa desenvolver» e no meio de tudo isto, afirmou Humberto Oliveira: «Já fizemos muito mais do que se fez anteriormente».

Apoio às Freguesias

Um ponto que fazia parte da Ordem de Trabalhos, era o que dizia respeito à atribuição de apoios às Freguesias, cujos apoios, individualmente aprovados por unanimidade, são os seguintes:

Sazes de Lorvão - 653€, para despesas correntes e manutenção das zonas de caça; 6.463€, 100% do valor das obras no lavadouro de Midões; e 36.308,18€, a 100% do valor das obras no cemitério da freguesia.

Carvalho - 52.500€, valor da aquisição da Quinta do Tomar-Quinta da Malva. Penacova, 35.000€ para a obra de pavimentações diversas.

Oliveira do Mondego/Travanca do Mondego – 560,88€, 50% do valor de aquisição de equipamento para Kit de Intervenção para Incêndios; 23.368,76€, 100% das obras de execução de passeio no lugar de Cunhedo; e 12.152,56€, 50% das obras da cobertura do recinto da Escola Primária de Paredes; obras de pavimentação diversas, a 100%, 27.568,42€; para aquisição de sinalização vertical, a 50%, 3.174,08€.

S. Pedro de Alva/S. Paio do Mondego – Para aquisição de climatização do edifício-sede, 50% do valor, 2.770,58€; para projectos das áreas balneares do Vimieiro e Cornicovo, 10.455€, a 100% do valor; e 50% do valor de 3.444,00€, para aquisição de reboque para transporte de mini-giratória.

Friúmes/Paradela – 5.504,25€, a 100% do valor das obras de construção de muro em Carregal; para calcetamento do recinto da Capela Maior, a 100% da obra, 6.910,39€.

Lorvão – Para pintura do cemitério e WC do Largo da Feira, a 100% da obra, 10.379,52€; para cobertura do terraço do Jardim-de-Infância da Aveleira, a 100% da obra, 3.333,33€; obras a 100% da pintura do cemitério de Paradela, 5.164,32€; para aquisição de equipamento diverso, a 50% do valor das aquisições: 483,18€, para um computador; 565,80€ para quatro aquecedores de esplanada; 212,18€, de martelo demolidor; 225,00€, de roçador; e para a Feira das Tradições, a 100%, 12.367,65€, aluguer de quiosques, colocados no Jardim do Mosteiro e 2.324,70€, para diversos serviços da Feira.

José Travassos de Vasconcelos - A Comarca de Arganil

Post Top Ad