DECO - Créditos pessoais na internet – quando a esmola é muita…


As dificuldades financeiras das famílias portuguesas aliadas à complexidade de obtenção de crédito na banca têm levado ao aumento das burlas online.

São frequentes os pedidos de ajuda de consumidores que foram vítimas de burlas na Internet. O circunstancialismo é muito semelhante, famílias onde se instalou algum problema e vêem-se na necessidade de recorrer ao crédito.

Expressões como “…Precisa de dinheiro urgente? Nós temos a solução para si ...” são  frequentes quando navegamos na internet. É transmitida a ideia de fácil acesso a créditos pessoais, onde reinam as vantagens em detrimento das desvantagens.

Deixamos alguns conselhos sobre esta matéria, nunca descurando o espírito critico.

Antes de mais, deverá verificar se a instituição de crédito é credível, fazendo uma análise da mesma, do seu site, recolha também testemunhos de outras pessoas e questione a entidade fiscalizadora do sector, o Banco de Portugal.

Naturalmente, que as facilidades custam dinheiro, pois, em regra, o crédito de rápida aprovação é o mais caro, com taxas de juro bastante elevadas, associadas a comissões, impostos e seguros.

Se lhe pedirem dinheiro para fazer face a custos de análise de processo de crédito, desconfie. Em regra estaremos perante um ilícito criminal. Nenhuma instituição financeira credível pede dinheiro para analisar a viabilidade de disponibilização de crédito. Muitas empresas menos fiáveis oferecem crédito pessoal online com condições muito vantajosas, mas que servem apenas como um canal ilegal de obtenção de dinheiro.

Nunca forneça dados bancários, pois a aprovação de um crédito pessoal deverá sempre cumprir uma série de regras estatuídas pelo Banco de Portugal. A disponibilização deste tipo de informação não é um desses requisitos.

Em caso de dúvida, informe-se, peça conselhos, nunca subscreva qualquer documentação sem ler, pois as letras pequeninas também existem nos contratos à distância. Opte sempre por escolher instituições de boa reputação, de credibilidade indiscutível.

Em caso de dúvidas não hesite em contactar-nos.

Tânia Santana, Jurista

ECO Centro

Os leitores interessados em obter esclarecimentos relacionados com o Direito do Consumo, bem como apresentar eventuais problemas ou situações, podem recorrer ao Gabinete de Apoio ao Consumidor da DECO, bastando, para isso, escreverem para a DECO – Rua Padre Estêvão Cabral, 79-5º, Sala 504-3000-317 Coimbra.

  etiquetas , , ,