REFLEXÕES - Incompleta - PENACOVA ACTUAL

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

30 de setembro de 2017

REFLEXÕES - Incompleta


Estava deitada de barriga para cima na erva seca daquele prado imenso, observando o céu e absorvendo toda aquela energia de uma tarde encarolada de verão. Estava sozinha, perdida nos meus pensamentos, que tomavam conta de mim. Não sabia o que sentia, mas posso descrever algo como uma melancolia intensa. Uma saudade albergada no peito que teimava em sair e me deixava pensativa e concentrada em mim própria. Eu e a natureza estávamos numa sintonia perfeita.

Os suspiros que dava eram muitos!... Porém, nada podia preencher aquela solidão e aquele vazio que me percorria toda, de cima a baixo. Faltava-me um pedaço de mim. E eu não sou eu sem esse pedaço… E custa-me não o ter, exactamente por isso. Se eu estou incompleta, como posso reconhecer a minha identidade?! Sei o meu nome, sim. Sei a minha idade, altura peso, até o que gosto e o que não gosto e conheço o meu feitio… Mas quem sou eu se não te tiver comigo?! Acho que me atrevo a dizer que ninguém. Davas-me força, fazias-me sorrir, acreditar, sonhar, sentir… Enfim! Fazias-me viver!... Fazias-me sentir amada e isso significava tudo para mim. Sabia que alguém se preocupava comigo, precisava de mim e sentia a minha falta. Cheguei a sentir-me especial!... Mas agora não estás. E habituaste-me a pensar assim, o que é ainda pior, porque mais ninguém me faz sentir especial… Pelo menos como tu fazias. E como eu adorava o jeito com que tu o fazias!... Adorava… E talvez ainda adore.

Continuei ali deitada, reflectindo sobre mim, sobre ti e sobre nós, relembrando os tempos em que te tive ao meu lado. Mas foste. E não voltaste. Todos os dias me sinto massacrada por isso… Porque todos os dias te espero (e desespero) e tu não vens. Tu nunca vens!... E eu quero acreditar que esta espera vai valer a pena, por isso tento não desabar. Por enquanto, consegui. Só que acho que não vou aguentar muito mais… Talvez o melhor é sair a correr por aí, mesmo que incompleta, e ver o que a vida me (ou nos) reserva. E talvez um dia nos encontraremos por aí e nos completaremos de novo!...

Mariana Assunção