REFLORESTAÇÃO - Mata do Bussaco e Água do Luso plantam 35 mil árvores em área destruída pela tempestade Leslie Penacova Actual PENACOVA ACTUAL - Jornal de Penacova
PUB

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

REFLORESTAÇÃO - Mata do Bussaco e Água do Luso plantam 35 mil árvores em área destruída pela tempestade Leslie

Cada uma das árvores plantadas corresponderá ao dorsal dos atletas que participam em provas de atletismo patrocinadas pela Água de Luso, devendo a plantação arrancar "imediatamente a seguir à Meia Maratona de Lisboa", marcada para domingo.


"Graças ao inestimável contributo da Água de Luso, vamos repor, este ano, muito mais do que aquilo que perdemos com a tempestade Leslie", refere a Fundação, destacando que "esta mega ação, sem precedentes na história da Mata, só será possível graças ao referido mecenas".

No dia 13 de outubro de 2018, a tempestade Leslie derrubou, num curto espaço de tempo, mais de mil árvores, deixando um rasto de destruição na floresta pública, com clareiras em vários locais emblemáticos, tendo provocado prejuízos a rondar o meio milhão de euros.

Algumas das árvores que tombaram com a fúria do vento integravam o Trilho das Árvores Notáveis, que tinha acabado de ser publicado em Diário da República, inviabilizando na altura a sua abertura oficial.

A tempestade poupou o património edificado do "Deserto dos Carmelitas Descalços e Conjunto Edificado do Palace do Bussaco", que está na base da candidatura à classificação de Património Mundial da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

A mata esteve mesmo encerrada durante um par de meses, só reabrindo no final do ano passado, após a conclusão da primeira fase das obras de recuperação, financiadas em mais de 200 mil euros pelo Fundo Florestal Permanente.

"Todo o planalto da serra do Bussaco que divide os concelhos da Mealhada, Mortágua e Penacova, é uma área de recarga de aquíferos, que tem muitas plantas invasoras, com grande perigo de incêndio, e que, com estas novas clareiras, mais suscetível está de aumentar a quantidade de acácias e, por conseguinte, o perigo de fogos florestais", explica a Fundação que gere os 105 hectares da Mata.

Serão plantadas unicamente espécies autóctones: azereiro, carvalho, pinheiro manso, aderno, azevinho, pirliteiro, sobreiro, gilbardeira, medronheiro.

As plantações serão feitas por voluntários, pelos funcionários da Fundação Mata do Bussaco e por figuras públicas (artistas, políticos, etc.). As novas árvores serão assinaladas com uma bandeira da Água de Luso alusiva à parceria.

"Em março, abril e maio, faremos plantações com colaboradores, clientes e fornecedores da Sociedade da Água de Luso. Em outubro de 2019 faremos uma grande ação de voluntariado, com a chancela da Água de Luso, para plantar as últimas 3 mil árvores das 35 mil, na Mata Nacional do Bussaco", anuncia a Fundação presidida por António Gravato.





Sem comentários:

Enviar um comentário


Leia as regras:

1 - Os comentários ofensivos não serão publicados.
2 - Os comentários apenas refletem a opinião dos seus autores.