Últimas Notícias

ILUSTRES (DES)CONHECIDOS: Joaquim Maria Leite (1829-1896)



Desde 1902 que o antigo Largo do Cruzeiro tem o seu nome. No entanto, a avaliar pelo estado de desleixo em que se encontra a sua campa no cemitério da Eirinha, poder-se-á concluir que estamos perante mais um ilustre (des)conhecido da grande maioria dos penacovenses.

Na sessão de 4 de Janeiro daquele ano, a Câmara Municipal, presidida por Daniel Silva, deliberou atribuir ao Largo do Cruzeiro a designação de “Largo do Deão Leite”. “Como público testemunho de gratidão pelos relevantes serviços prestados ao concelho de Penacova e como homenagem ao grande talento de alguns dos seus filhos - verdadeiras glórias nacionais” foram na mesma data atribuídas outras denominações toponímicas na vila: Rua Conselheiro Alípio Leitão, Rua Conselheiro Barjona de Freitas, Rua Conselheiro Fernando de Mello, Rua Arcediago Alves Mendes, Rua Dr. Paiva Pitta e Largo Dr. Joaquim Correia. [1]
Aspectos do Largo Deão Leite e da Rua Conselheiro. Fernando de Melo
Nos inícios do séc. XIX, José Manuel Leite[2], oriundo de Fafe, casou com uma senhora de Penacova, Florência Efigénia, passando a viver no Largo do Cruzeiro, na conhecida “Casa dos Leite”. Foram seus filhos José Maria da Conceição Leite, que foi pároco e arcipreste em Penacova, e Joaquim Maria Leite, o futuro “Deão Leite”.

Joaquim Maria Leite nasceu há 190 anos (Julho de 1829). Foi baptizado pelo Prior Francisco Correia de Almeida tendo como padrinhos o Doutor Joaquim Correia de Almeida e sua mulher, Maria do Santo Nome. No ano lectivo 1848/49 vamos encontrar Joaquim Maria Leite em Coimbra no 2º ano de Teologia. Dez anos mais tarde, também o seu irmão José Maria irá frequentar o mesmo curso, quando Fernando de Mello estudava Medicina e Alves Mendes frequentava o Liceu. Na época era professor da Universidade João Crisóstomo de Amorim Pessoa. Joaquim Maria foi seu aluno e quando aquele catedrático de Teologia foi nomeado Arcebispo de Goa e Patriarca das Índias (1862/63), convidou o seu pupilo para seu secretário pessoal.

Seminário do Chorão - Goa
Mas, em Goa, Joaquim Maria Leite foi mais do que um mero “administrativo”. Foi professor de Ciências Eclesiásticas[3] e Reitor do Seminário do Chorão (Bicholin), além de Chantre da Sé Primacial de Goa. Quando Amorim Pessoa chegou à Índia procurou elevar o nível da formação eclesiástica, reformando os estudos e centralizando-os naquele Seminário. Como reitor, “colocou o Bacharel Joaquim Maria Leite, Chantre da Sé” – conforme refere a “História de Goa” de Manuel Saldanha. O Dicionário Bibliográfico Português, de Inocêncio Silva, regista a obra deste penacovense, impressa em 1868: “Sermão de S. Francisco Xavier, Apóstolo das Índias: pregado no dia 3 de Agosto de 1864 na Igreja do bom-Jesus de Goa”.

Por motivo de doença teve de deixar a Índia, sendo pouco depois convidado para Professor do Liceu da Guarda, onde chegou a Reitor. Nesta cidade integrou o Cabido da Sé, não só na qualidade de Cónego mas também de Cónego-Deão. Daí, o conhecido atributo de “Deão Leite”. Naquela cidade da Beira Alta presidiu à Comissão para fundar o Asilo da Mendicidade.

Sé da Guarda
Joaquim Maria Leite ocupou, mesmo que por pouco tempo, por motivos de saúde, o cargo de Deputado por Penacova. Terá mesmo apresentado nas Cortes um projecto de lei para que o Mosteiro de Lorvão passasse a ser considerado Monumento Nacional, o que veio a acontecer, como sabemos, em 1910.

Acabou os seus dias em Penacova, onde viveu alguns anos, paralítico, vitimado pelo reumatismo gotoso, ajudando os necessitados e recebendo muitas visitas (era “um conversador muito instrutivo”, no dizer do Dr. José Albino Ferreira). “Com a sua doença muito perdeu Penacova”- escreveu noutra ocasião este penacovense.

Campa de Joaquim Maria Leite no cemitério da Eirinha

Morreu na madrugada do dia 6 de Agosto de 1896, com apenas 67 anos. O registo de óbito foi lavrado e assinado por seu irmão, Padre José Maria da Conceição Leite. Os seus restos mortais repousam no cemitério da Eirinha. A campa tem a seguinte inscrição: “À MEMÓRIA DE MEU IRMÃO O DEÃO DA SÉ DA GUARDA JOAQUIM MARIA LEITE NATURAL DE PENACOVA ONDE FALECEU EM 6 DE AGOSTO DE 1896 JOSÉ MARIA LEITE”.


[1] A rua Dr. Paiva Pitta, hoje inexistente, não se sabe porquê, vinha substituir a Rua da Costa do Sol. Por sua vez, o Largo Dr. Joaquim Correia, ficava em frente da porta principal da Igreja.
[2] Virá desta família o uso do apelido Leite por terras de Penacova. O Major Santos Leite terá sido um dos descendentes.
[3] No Seminário de Rachol, instituição da Companhia de Jesus, se formaram alguns dos mais brilhantes sacerdotes da Índia. Este seminário teve uma das primeiras tipografias da Ásia.

Sem comentários


Leia as regras:

1 - Os comentários ofensivos não serão publicados.
2 - Os comentários apenas refletem a opinião dos seus autores.